sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Futebol Amador

FARROUPILHA 50 ANOS - A FUNDAÇÃO

Houve uma evolução no futebol do grupo, e no mês de setembro de 1966 fundou-se oficialmente o Esporte Clube Farroupilha. O nome em homenagem a Revolução, já que o dia da fundação era 20 de setembro de 1966. Carlos Kuyven cedeu espaço no seu potreiro para o novo campo. O grupo de forma solidária, derrubou arvores, limpou o local, marcou o campo, construiu copa e banheiros.  Iniciando os jogos do Farrapo em sua sede.


Carlos Kuyven era proprietário de um caminhão (Chevrolet Gigante ano 1946), como era apaixonado pelo esporte realizava o transporte do pessoal até os campos dos jogos. Aldino, por algum tempo, aos domingos pela manhã, pegava o Chevrolet 1946 de seu pai e buscava os atletas em Cruzeiro e os levava para casa após o jogo. De vez em quando lembra que seu pai oferecia almoço aos atletas, tendo como prato principal carne de cabrito, de sua própria criação. José Kubitz, dono de serraria e proprietário de caminhão, também fazia o transporte da delegação farrapa a partir da década de 70.


O primeiro fardamento foi costurado por Elma Allebrandt, mãe de Antônio. Segundo ele, eram dois fardamentos em azul e branco, que foram as cores originais do Farroupilha. Um predominando o azul e outro o branco.
Dentre tantas as histórias vividas, Aldino e Roque contam que, próximo da sede do campo havia um potreiro e lá existia um pomar de bergamoteiras. Quando a equipe visitante chegava, logo avistavam aquela frondosa frutífera e para lá se dirigiam para apanhar as frutas. Ao passarem a cerca para apanha-las, se deparavam com uma surpresa, ou melhor, um bode ciumento que não deixava os visitantes apanhar as bergamotas e os colocava a correr, as pessoas passavam por baixo da cerca e achavam que estavam seguras, mas o bode no embalo pulava a cerca e os tocava até a condução, após retornava para seu cercado, situação está que gerava risos de quem visualizava a cena
Outra história pitoresca é que num dos jogos no Rincão dos Vitor em Giruá, o atleta Rui, que era goleiro, tinha uma camisa da “volta mundo”, moda da época. Enquanto a partida rolava, a sua roupa ficou ao lado do campo e quando se deram por conta, havia uma vaca mastigando a sua camisa, ao retira-lá da boca da vaca, além de babada, mastigada, a camisa ficou com apenas uma das mangas.

Para finalizar tantas lembranças a dupla de zaga Aldino e Roque contam da invencibilidade do Farroupilha que durou mais de 42 jogos seguidos, ocorrido nos anos 1968 e 1969.


Nenhum comentário:

Postar um comentário