sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

Por Onde Anda

FRANCISCO  BRANDÃO 
        MINEIRINHO
            
Nome, local de nascimento, filiação. - FRANCISCO BRANDÃO - Nascido no Rincão dos Brandão, próximo ao rio Piratini, no município de São Luiz Gonzaga/RS, no ano de 1938, filho de José Altino Brandão e Araci Brandão (eram onze irmãos dos quais cinco ainda vivos).
Apelido  –  Mineiro ou Mineirinho - Questionado porque do apelido, diz que carrega desde a sua infância, pois, era um menino de baixa estatura, ágil no drible e muito veloz.
Casamento. Com quem, quantos filhos, netos e etc. –  Casado com Universina Faleiro Brandão, temos 06 (seis) filhos – Adriana, Carlos Bento, Francisco, Fernando, Jaqueline e Luan Ricardo; 06(seis) netos: Jeferson Andrei Mund, Gabriela Kailani Brandão, Gustavo Rigoli Brandão, Eduardo Brandão Rodrigues, Guilherme Kauã Brandão e João Victor Mucha Hermes.   
Grau de escolaridade – Fundamental – cursado na Escola Municipal Senador Pinheiro Machado, em São Luiz Gonzaga, RS.



Mineirinho, com a esposa Universina e a filha Jaqueline.

Como foi a infância (descrever, onde, quando). O que lembra com saudade.
Foi muito boa; jogando futebol, pescando, caçando, cavalgando e executando trabalhos caseiros, além de estudar.
Vida esportiva (onde iniciou,  em que clubes jogou – o que recorda desta fase.
Iniciei aos 16 anos de idade no Ipiranga Futebol Clube da cidade de São Luiz Gonzaga, RS; na época o Ipiranga foi por diversas vezes campeão citadino daquela cidade, jogando com seus rivais Roque Gonzales F.C. e Sepé Tiarajú A.C.



Equipe do Ipiranga F. C. de São Luiz Gonzaga RS- local Estádio Municipal – ano 1958/1959,em pé : ?;?; o goleiro Porco, ao seu lado o  zagueiro Texaco; ?;^Agachados: Ademir, Lé, Mineiro, Joá, e Lalate.  



Ano 1959/60 – Estádio Municipal de São Luiz Gonzaga RS – aparecem os atletas Ademir, o presidente do Ipiranga F.C. e Francisco Brandão (Mineiro).

Em 1960 vim para Santa Rosa, RS, a convite do Dr. Monte Alvar Aurelio Rodrigues, para jogar no Paladino F. C. - lembro que junto comigo vieram o meu primo de apelido Mido (zagueiro central) e o Ademir (ponta esquerda), na época eu tinha 22 anos de idade; lembro que passei a residir numa pensão situada na Av. Tuparendi; joguei no Paladino F. C., nos campeonatos citadinos e estaduais dos anos de 1961 a 1965, onde fui bi-campeão citadino (1961/1962), vice-campeão citadino em 1963 e campeão citadino em 1964; foram meus técnicos: o Professor Paulo Araújo (1961 e 1968/9), Arthur Silva Ribas- Caiera (1962/1964).


Local: Estádio Municipal Carlos Denardin; ano de  1961-  Equipe do Paladino F. C. aparecem em pé- Ernani Kotlinsky (Dirigente), Lotário Dreher, Mido, Orlando, ? Abilio Grüber, Vado e Zeferino Soares (Dirigente); agachados: Jorginho, Er Mussi de Andrade (Gatão), Pinheiro, Francisco Brandão (Mineiro) e Ademir.


Local: Estádio Municipal Carlos Denardin; ano de 1961   Atletas do Paladino F. C. aparecem: Mido, Mineiro, Atila Weber, Carlinhos, Kalil e Vado.



Local: Estádio Municipal Carlos Denardin; ano de 1961-    Paladino F. C. - por ocasião da colocação das faixas de campeões citadinos de 1961;  aparecem: Lotário Dreher (capitão do time), Paulo Zenni Araújo (Técnico) e Francisco Brandão (Mineiro).


Local: Estádio Municipal Carlos Denardin; ano de 1962- aparecem: Francisco Brandão e seu grande amigo João Adão Mousquer Marques (Perigoso) atletas do Paladino F. C.



Ano 1961 – Local defronte o prédio da Prefeitura Municipal de Santa Rosa, RS, aparecem da esquerda p/direita: Carlinhos (centromédio), Francisco Brandão (Mineiro, ponta esquerda), Mido (zagueiro central), Vado (meia-direita) e Pedro Santana (zagueiro) – atletas do Paladino F. C. ; Carlinhos, Vado e Santana vindos de Porto Alegre, RS, Mineiro e Mido procedentes da cidade de São Luiz Gonzaga,RS.





Equipe do Paladino F. C. - Campeão citadino de 1962 – Local Estádio Municipal Carlos Denardin – Aparecem na foto: Em pé: Armando, Antonio Carlos S. Nunes, Sarará, Carlinhos, Canhete, Pedrinho Acosta, Lotário Dreher e Arthur Silva Ribas (Caiera). Agachados: Espindola (massagista), Joá, João Adão Mousquer Marques (Perigoso),Vado, Queixinho, Francisco Brandão (Mineirinho) e Pinheiro.










             
          
1965 - Equipe do Paladino F. C. – Local Estádio Municipal Carlos Denardin, 3.º lugar no Campeonato Citadino – aparecem em pé: Chico Cappellari, Lotario Dreher, Macalé, Canjica, Pinheiro e Aquiles Puntel. Agachados: Varguinha, Oscar Warth Neto, Pelézinho, Francisco Brandão (Mineirinho) e Pedro Dias (Mulita).

Em fins do ano de 1965 me transferi passando a jogar  pelo E. C. Aliança, onde fui campeão citadino em 1968 e 1969 e Vice-Campeão Estadual de Amadores em 1969.

        E. C. ALIANÇA  - Vice Campeão Estadual de Amadores de 1968/1969. (Perdeu a disputa para o Brasil F. C. de Vacaria, RS)


Em pé, Nilton Antonio de Souza (Presidente), Garcia, Gonçalves, Vilmar, Vione, Bino, Mineiro, Osmar, Polaco, De Conti, Vendelino de Barba (Vice-Presidente).
Agachados: Adalberto, Campanaro, Odeli, Neri, Edson, Jóia, Soni, Luiz Dantas (Massagista) e Hamilton (Mascote).



E. C. ALIANÇA – ano 1968/1969 – Local Estádio Municipal Carlos Denardin
Em pé: Francisco Melo Garcia, Gonçalves, Jorge Vargas (Jóia), Osmar Walter (Sopa), Vilmar Hartminck, ?, Geraldo Rosa, Luiz De Conti, Olivar Schmorantz (Chiquinho), e Valentim Antonio Maschio (Dirigente). Agachados: Bruno Mantey (Polaco), Valdir Schulz da Silva (Mosquito), Albino Eduardo Gürch (Bino), Francisco Brandão (Mineiro), Alfredo Siegfrid Welke (Soni), Neri Correa (Grifú) e Talvani Oliveira de Abreu.


Atuei também no Futebol de Salão nos anos de 1962 e 1963 pelo Santos F. C., clube que tinha como Presidente de Honra o Sr. Nercy Soares dos Santos, proprietário da empresa denominada Supermercado Santos (onde também fui seu funcionário), com sede em Santa Rosa, RS., clube que disputava o campeonato citadino, com seus jogos realizados na quadra da Evangélica da Paz, situada na Av. Santa Cruz (Foto abaixo).




Lembro que fui requisitado no ano de 1965 pela direção técnica do Juventude F. C. do Bairro de Cruzeiro, para atuar com a camisa verde-amarela em jogo amistoso contra o E. C. Cruzeiro de Porto Alegre; tal jogo, realizado no Estádio Municipal Carlos Denardin, com conotação festiva, vez que no E. C. Cruzeiro estava jogando o nosso conterrâneo Jarbas Tonel (Foto abaixo).



Jogando pelo Juventude F.C. - local Estádio Carlos Denardin - em julho/1965 - em jogo festivo contra o E. C. Cruzeiro de Porto Alegre – RS. Em pé - Eugenio Walmir Pedrolo (Gordinho), (?), Francisco Brandão (Mineirinho), Jacir Cappellari (Chico), Wilson, Darci Cappellari, Beto Wellausen, Ervino Berg (Pompéia), Gilberto Rosa, Homero Cavalheiro, Canjica, Macalé, Eraldo, Cebola, Celio(goleiro) e o massagista do Cruzeiro Abraão Lhermann.Agachados: Mantey (Polaco), Afonso Borella, Amauri Kmiecik, Pitinin, Oscar Warth Neto, Jorginho, Vilmar Ferreira Arrussul (Gaúcho), Krieger, Nelci Pedrolo (Seco), Bezerra, Cruz, Góia, Jarbas Tonel e Raul Meneguini. 

Em 1966 participei de um jogo amistoso entre o Paladino F. C. x Grêmio Porto Alegrense, no Estádio Carlos Denardin (foto abaixo).




Estádio Municipal Carlos Denardin – Ano de 1966 - Paladino F. C. x Grêmio Portoalegrense. Aparecem em pé - da esquerda p/direita: Chico Cappellari, Cléo Souza, ?, Alberto Silveira (goleiro), Luiz Fortes Rodrigues (Gordo), Paulo Souza, ?, Osmarino, Burrinho, Volmir, Varguinha, ?, Sergio Lopes, Oscar Warth, Airton Ferreira da Silva, ?, Altemir, Canjica, ?.Agachados: Thomas (Pelézinho), Lotario Dreher, Oquelésio dos Santos Galvão (pai de Mauro Galvão), ?, Ivanir Taffarel, Joãozinho, Pinheiro, Alcindo Marta de Freitas, Pedro Dias (Mulita), Mineirinho, ?, ?.

Por volta do ano de 1973, a convite de José Emilio Kruel, fui, junto com o amigo João Adão Mousquer Marques (de apelido Perigoso), para o Dínamo F. C. quando ainda àquele clube disputava os certames na categoria de amadores. O Dínamo foi meu ultimo clube 

                                  

Local: Estádio Municipal Carlos Denardin, em 1973, jogando pelo DÍNAMO  F. C. – aparecem: em pé:  ?; José Emilio Kruel (Tuca), Bartolomeu Neiss (Pato), Airton; Luiz Carlos Kruel (Tota) e Pedro Dias (Mulita). Agachados: ?;?;Francisco Brandão (Mineirinho); ?; Baitaca e Amauri Giovelli.


Local Estadio Carlos Denardin- Dínamo F. C. - ano.....Em pé José Emilio Kruel- Tuca (Presidente), Baleia, Lamar Arbelo, ?; Luiz Carlos Kruel ( Tota ), Telmo Rigo, Francisco Brandão (Mineiro), Joel de Andrade (Baitaca), Artur Silva Ribas (Caiera); Agachados: ?; Nilton; ?;?; Joao A.M. Marques (Perigoso); ?; Carlos Alberto Arbelo (Caio).




Estádio Carlos Denardin - Dínamo FC: José E. Kruel, Luiz Carlos Kruel e Perigoso.
Agachado Mineirinho.

Lembro com muito orgulho de ser homenageado pela diretoria do Paladino F. C., no transcorrer das festividades comemorativas dos 65 anos de sua fundação, fato esse acontecido no ano de 16/07/2011, em sua Sede Social localizada à Rua Santa Rosa, tendo, na ocasião, sido distinguido com a Comenda de Mérito Desportivo (Foto abaixo).


João Adão Mousquer Marques (Perigoso), Antilio Fagundes, Francisco Brandão (Mineiro) e Lotario Dreher



João Adão Mousquer Marques (Perigoso), Raul, Cruz, Canhoto e Francisco Brandão (Mineirinho), tendo ao fundo  a foto do saudoso e inesquecível presidente  do Paladino F.C. o Dr. Monte Alvar Aurelio Rodrigues.
Outra lembrança que guardo com muita honra e orgulho foi o fato de  participar como homenageado - na condição de ex-atleta do Dínamo F. C. – em promoção denominada “Noite da História e Memória do Futebol de Santa Rosa“ evento de iniciativa do Poder Público Municipal, via Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, realizada em 08 de novembro de 2013, ocasião em que foram homenageados atletas e personagens que atuaram no futebol santa-rosense desde o ano de 1946, reunindo, aproximadamente, 300 (trezentos) homenageados, fato esse acontecido nas dependências do Restaurante Ponto Dez, situado na Avenida América, ou seja, na mesma avenida que desde o ano de 1957 leva ao endereço de nosso inesquecível Estádio Municipal Carlos Denardin (foto abaixo).
Da esquerda para a direita: Pontes, Luiz Carlos Kruel, Mineirinho, Macalé, Juarez e Airton.

Depois de largar o futebol, fui balconista em várias lojas da cidade e por ultimo taxista; hoje vivo com a minha família, tendo em Universina Faleiro Brandão, a minha grande companheira.
Clube(s) pelo qual torce - Gremio Foot Ball Portoalegrense, em Porto Alegre; em Santa Rosa pelo Paladino F. C.  
Atividade atual – Aposentado.
Mantém atividade relacionada com o esporte? Não.
Já foi treinador, dirigente ou algo similar? Não
O que faz atualmente? Aposentado, resido no Bairro Planalto, município de Santa Rosa, RS; faço caminhadas diárias nas ruas próximas da minha residência no Bairro Planalto.


Atenção: Para visualizar melhor as fotos, clique em cima para ampliar.

Elaboração da matéria com a participação 
de Atanagildo G. Rorato,  Irineu Donini e Raul Meneguini.


quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Futebol Amador

GRÊMIO CENTRAL
Bairro Central


O Grêmio Central é uma equipe de futebol amador, fundada no ano de 1998.  Atualmente manda seus jogos no campo da Vila Oliveira, Bairro Central, em Santa Rosa. Tem por objetivo a pratica do futebol como passatempo e a parceria entre os amigos, nos finais de semana.






Fonte: Perfil FACEBOOK

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Futebol Amador

Atlético Futebol Clube

Fundado em 26 de setembro de 2006. É formado por grupo de profissionais de diversas áreas que tem por objetivo o congraçamento, recreação e bem estar,  entre amigos nos finais de semanas. Disputa seus jogos  no campo  localizado na rodovia que contorna o lado  norte da cidade de Santa Rosa, entre a BR 472 e a RS 344. Realiza jogos amistosos na sua sede e em diversas cidades do  nosso estado e de Santa Catarina.


Jogo amistoso em Giruá/RS.


Jogo amistoso em Nova Candelária/RS

Em Caxias do Sul/RS.

Em Horizontina/RS.

Equipe do ano 2010

Confraternização em São |Miguel do Oeste/SC.

Fonte e Fotos: Perfil Atlético FC - Facebook

Futebol Amador

BAIXADA FUTEBOL CLUBE
Santa Rosa


Fundado por um grupo de amigos,em 15 de dezembro de 1982, com o objetivo de se encontrar nas tardes de  sábado, para jogar futebol.  Iniciou, tendo como local para os jogos, o campo do Colégio Santa Rosa de Lima. As equipes eram formadas por ordem de chegada dos atletas, que aguardavam a chegada das irmãs franciscanas para abrir o portão, para que tivessem acesso ao campo.  Composto por 38 atletas, o grupo também começou a jogar futsal, de quarta feira, no Salão Paroquial da comunidade do Sagrado Coração de Jesus, no centro. Atualmente os jogos são disputados no campo do Sindicato dos Bancários de Santa Rosa. O grupo é regido por um regulamento interno.  O grande líder do grupo é o desportista Marcos Mauro Maicá



(Fonte Jornal Gazeta Regional e Facebook)

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Fotos Históricas

Registro  histórico do saudoso  fotógrafo Plínio Luconi,  que retrata a festa do 3º aniversário do Juventus Atlético Clube em 12 de março de 1954.

Colaboração de João Jayme Araujo e Raul Meneguini

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Futebol Amador

Palmeiras e Guarani conquistam o Campeonato Municipal de Futebol de Campo

Por Fernando Kronbauer
Fotos de Pedro Vieira/ RolêPro

Após três meses de competições, na última sexta-feira, 16 de dezembro, foi realizado no estádio Municipal Carlos Denardin, as finais do Campeonato Municipal de Futebol de Campo, categoria de Aspirantes e Titulares.
Na categoria de Aspirantes o título foi decidido entre Guarani de Pessegueiro e Villa, que realizaram uma bela partida que foi vencida pelo Guarani por 2 a 0, que assim, ergueu o caneco de Campeão.

E.C Guarani do Lajeado Pessegueiro
Campeão Categoria Aspirantes/2016

Logo em seguida, aconteceu a grande final da categoria de Titulares entre Guarani de Pessegueiro e Palmeiras, partida muito equilibrada e que foi vencida por 1 a 0, pelo Palmeiras que soltou o grito de Campeão. Além do título de campeão municipal 2016, o Palmeiras garantiu a vaga para a disputa do Gaúchão de Várzea 2017.

Palmeiras do Bairro Glória
Campeão da Categoria Principal/ 2016

Confira a premiação do Campeonato Municipal de futebol de Campo 2016, de Santa Rosa.
Categoria de Aspirantes
1º Lugar: Guarani de Pessegueiro
2º Lugar: E.C. Villa
3º Lugar: Associação Planalto
Artilheiro: Lucas Tomas com 6 gols (Guarani de Pessegueiro)
Goleiro menos vazado: David Neto
Categoria de Titulares
1º Lugar: Palmeiras
2º Lugar: Guarani de Pessegueiro
3º Lugar: Associação Planalto
Artilheiro: Marcelo com 4 gols (Palmeiras)
Goleiro menos vazado: Adalberto Martins (Palmeiras)
Seleção do Campeonato, por categoria:
Aspirantes: David Neto, Mauro, Geison, Marcelo Bergmann, Fábio, Carlos, Maikel, Gabriel, Gustavo Raiter, Renan e Lucas Tomas.
Titulares: Maicol, Girotto, Tiago Tolazzi, Gelson, Janquel, Júlio César, Marcelo, Luís Felipe, Gustavo Peters, Lazaro e Costinha.

sábado, 19 de novembro de 2016

Homenagem

LUIZ CARLOS KRUEL

Faleceu na tarde deste sábado, 19 de novembro, as 14h, o desportista Luiz Carlos Kruel, conhecido como Tota. 
Luiz Carlos Kruel foi um dos fundadores do DÍNAMO FC, juntamente com seu irmão José Emílio Kruel, o Tuca. Foi torcedor fervoroso do seu clube do coração. 
Seu corpo está sendo velado em uma das capelas do Memorial Dom José. O sepultamento está marcado para às 10 horas da manhã deste domingo, 20.
Nossos sentimentos aos familiares do Velho Guerreiro TOTA, em especial a seu irmão José Emílio Kruel.


 Para recordar, momentos de Luiz Carlos Kruel, o Tota, no DÍNAMO FUTEBOL CLUBE. 

Uma das primeiras formações do Dínamo FC. Detalhe:este foi o primeiro fardamento do clube.  Local da foto, campo que se localizava após o trevo da rodovia que liga Santa Rosa-Cândido Godoy, em frente a Vila Auxiliadora. A foto foi tirada antes de um jogo amistoso com o Ferroviário.  Tota, é o terceiro, em pé, da esquerda para a direita.

Em pé da esquerda para a direita:José Emílio Kruel, o Tuca, 
seu irmão Luiz Carlos Kruel, o Tota, 
Perigoso e agachado  Mineirinho.

DÍNAMO FC - Luiz Carlos Kruel, é o quinto, em pé, da esquerda para a direita

DÍNAMO FC - Luiz Calos, o Tota, é o primeiro, em pé, da esquerda para a direita.

Tota, com o grupo de juniores do Dínamo FC, é o último, em pé, à direita.




domingo, 6 de novembro de 2016

Homenagem

Santa Rosa perde um grande desportista. Foi sepultado na tarde de hoje, 06 de novembro, no Cemitério Municipal, o corpo do empresário dos transportes Airton Bruno Friedrich. Filho de família ligada ao futebol, seu pai o empresário Elíbio e seu irmão Arno foram presidentes do Juventus Atlético Clube. Além do Juventus, Airton também foi um grande torcedor do Dínamo FC, inclusive participando da diretoria daquele clube. Para homenageá-lo, postamos uma matéria sobre a família Friedrich,   publicada em 2011, quando das comemorações dos 60 anos do Juventus AC. que teve a sua importante participação.


Os Fredrich


Vindos de Ibirubá, os Fredrich radicaram-se em Santa Rosa, no ramo de comércio e transportes.
A história dos Fredrich se confunde com ahistória do Juventus. Além do patriarca Elíbio(foto à esquerda),que presidiu de 1954 a 1958, seu filho mais novo, Arno, também foi presidente do clube, nas gestões de 1972 a 1973. O outro filho, Airton, no qual, nos deu o prazer de contarmos com seus relatos para esta matéria, é um torcedor juventino desde pequenino, e até hoje não perde jogos no Estádio Carlos Denardin. Airton tem muito orgulho do passado do seu clube. Guarda nos seus armários materiais esportivos da época, como flâmulas dos clubes com quem o Juventus jogou, inclusive da Argentina. Aliás, o clube santa-rosense mantinha uma política de boa vizinhança com os hermanos, e frequentemente disputava jogos naquele país, com memoráveis jornadas, nas gestões dos Fredrich.
“E era novo, mas guardo na lembrança as dificuldades de transpor o rio Uruguai. Porto Mauá não tinha passagem de rio. Então, deslocava-se de ônibus até a margem em Porto Xavier, e de barca se fazia a
travessia para jogar em Alba Posse, Missiones, Argentina”.Airton lembra do episódio em que o ônibus afundou com a barca. Precisou do guincho do Exército de Santa Rosa para retirá-lo do rio. O ônibus, um F-600, ano 1956, da Empresa Porto Lucena, ficou muito avariado. Então, como o pai era diretor proprietário de uma agencia de veículos, ajudou nos custos da reforma o ônibus. Os mecânicos abriram o motor, a caixa, o diferencial. As laterais que eram de eucatex    tiveram que ser substituídas, assim como o foro dos bancos.
Ainda relata: “Para jogar na Argentina, viajavam nas primeiras horas do sábado, pernoitavam por lá, jogavam no domingo pela manhã, para poder retornar no domingo a tarde, pois, segunda feira era trabalho.”
E, continua: “Como diretor da empresa (mesmo com a discordância do sócio), seu Elíbio contratava funcionários que, além das atividades, jogasse bem o futebol e serem, então, atletas de seu clube – o Juventus. Ao final do expediente do dia, trinava seu apito, e este era o sinal para reunião do grupo, e então, os súditos se dirigiam até um veículo que superlotado, eram deslocados para o treino diário, na Baixada do Pessegueiro.”
Airton lamenta a perda de uma bandeira, que a considerava histórica, por ser da época do pai, quando presidia o clube. Tinha afeto a ela, e que até pouco tempo era hasteada no alambrado do estádio em dia de jogos, e que não a viu mais e nem soube de seu paradeiro. Mostrou-nos, também, um livro do controle das contas – receitas e despesas – e relação de sócios, da década de 50. Como bom administrador que era seu Elíbio, anotava até os centavos e tinha o controle das finanças do clube.
Com a presidência de Elibio Fredrich de 1954 a 1958, o Juventus se profissionalizou. Os objetivos daquela gestão eram de que fosse um clube respeitado na região. Disputava clássicos citadinos como com o Aliança e o Paladino, o Sepé Tiarajú e o Juventude de Cruzeiro, e clássicos regionais como Oriental de Três de Maio, Riograndense de São José do Inhacorá, Botafogo de Santo Cristo, Aimoré de Giruá e Gaúcho de Tucunduva.
Possuía um quadro social não numeroso, mas forte, que mensalmente colaboravam, deixando sua cota ao clube. Com isso, conseguia subsidiar despesas de viagem para visitantes jogarem em Santa Rosa, como hospedagem e alimentação a jogadores de outras cidades que vinham para os jogos de fim de semana, material esportivo para os atletas, médico e farmácia, quando necessário, além de ajuda financeira aos atletas. Estes dados, foram recuperados de um livro do presidente da época, com anotações e controle das finanças guardado pela família. (Foto abaixo página de livro caixa controlado por Elíbio no ano de 1954)


Lembra-se da Baixada do Pessegueiro. O isolamento do campo com a torcida era campo não era um para-peito. Nos dias de clássico as bandeiras dos clubes eram hasteadas no pórtico de entrada. Ao descer pela via que dava acesso ao estádio viam-se as bandeiras dos clubes tremulando nos astros do pórtico de entrada.
Conta que quando chovia alagava, pois o campo ficava na margem do rio. Chovia no sábado, já havia impedimento para os jogos do domingo. Além da invasão do rio, descia água das ruas da cidade, acima do campo que se somavam a água do Pessegueiro e formavam um enorme alagamento.
Nos clássicos havia muita rivalidade, principalmente com o Paladino. Lembra também que ficou difícil para os clubes manterem seus jogadores, quando o mercado de jogadores inflacionou. Muitos atletas vinham de outras regiões. Os clubes pagavam salários e prêmios e vieram os encargos sociais. Então, começaram as dificuldades de gerenciamento. O que os obrigou a fecharem as portas para o futebol.
Como empresário Elíbio passava muito tempo em São Paulo. Quando podia, ia ao estádio a fim de assistir jogos do campeonato paulista. Num dos retornos para a cidade, ao se ter a idéia de um novo estádio, colaborou muito com idéias, pois conhecia os estádios paulistas. Sugeriu que o terreno fosse aprofundado em mais dois metros ou então subir com mais alguns degraus para a arquibancada ter maior capacidade de público. Pensava ele, para o futuro de nosso futebol. Mas, o Prefeito José Alfredo Nedel não concordou convicto do que estava sendo feito, erra o correto, pois para Santa Rosa, naquele momento, era o suficiente.




Quanto à gestão do irmão Arno (na foto acima Airton à esquerda, junto com o saudoso irmão Arno), lembra que ele era proprietário de uma Kombi e de um Opala. Com os dois veículos transportava os atletas para os jogos, inclusive para a Argentina. Arno tinha a parceria do Dr. Adil Albrecht, dentista, que colaborava financeiramente e do proprietário da Courolândia, que colaborava com o material esportivo. Nesse período em que Arno presidiu, o Juventus tinha uma forte integração com clubes argentinos, onde as visitas eram periódicas lá e cá, com jogos interessantes.
Estas são algumas das lembranças que ainda permanecem na mente do Airton, que viu o Juventus nascer, renascer e que hoje é o clube que representa nossa cidade no Estado do Rio Grande do Sul, através das competições oficiais que disputa.
Créditos das Fotos: Airton Fredrich